fbpx

Classe Média Brasileira

Um dos principais motores de nossa economia, a classe média brasileira, é difícil de definir, pois sem dúvida é a mais complexa das classes sociais, pois os ricos são ricos, os pobres estão aí aos montes bem próximos dos miseráveis. Mas a classe média parece muito fragmentada, cabendo nela muita coisa, desde recentes falidos que agora fazem um demorado regime do caviar para manter um mínimo de poses e poder pagar uma diarista, até o pobre que aproveitou os tempos de vacas gordas de economia pujante, eempresario-tentando-equilibrar-na-bola-e-gangorra_70921-292-285x300 Classe Média Brasileira agora mata um leão por dia ferozmente com cada vez mais medo de amargar os tempos de espigas mirradas.

Segundo o filósofo Luis Felipe Pondé, a classe média é a mais ressentida de todas, por levar por assim dizer, o país nas costas, de fato é ela quem paga mais impostos. Talvez seja a classe mais reativa também, por que um dia a distância do “populacho“ foi bem maior, e o fantasma da quase pobreza ronda as mentes dessas pessoas que no fundo estão na média do poder, e a palavra média é próxima da palavra mediocridade e mediocridade soa como um palavrão para a nossa cultura.

Mas vamos falar um pouco sobre os pobres. Bem, não há muito que dizer, a não ser que sempre necessitam economicamente de tudo, e nas palavras do filósofo Mário Sérgio Cortella: “São aqueles que tendo dinheiro sobrando vão aproveitar para gastar fazendo uma reunião ocasional chamando a vizinhança”.

Os ricos parecem estar acima de tudo isso, parece não terem uma “cara“ específica, sua existência se confunde sempre com a existência de grandes corporações, quase nunca pensamos nos ricos como seres individuais, a não ser quando são artistas populares e personalidades que aparecem mais em colunas sociais e revistas, mas esses são bem poucos.

empresario-tentando-equilibrar-na-bola-e-gangorra_70921-292-285x300 Classe Média BrasileiraNo fim de tudo o grande problema de todas as classes são os péssimos governos, tanto de direita como de esquerda, que nas casas onde nasce a política, não entenderam que o país só será mesmo bom para todos se os abismos sociais forem reduzidos ao máximo. Não é interessante uma roda de consumo que não gira porque uma parte dos brasileiros não tem o bastante para consumir o que é produzido.

Logo, quem produz também terá de demitir, piorando ainda mais o quadro econômico. É algo imensamente simples de compreender, mas porque não são feitas as correções? O problema é complexo porque nossa sociedade ainda é carcomida de preconceitos e ressentimentos, e é preciso muita educação que ultrapasse as fronteiras de nossa mediocridade sociocultural.

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Max Castro

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *