fbpx

Intolerância religiosa e as religiões de matriz afro

A intolerância religiosa é uma das refrações do ódio e preconceito na sociedade. Nosso país constitucionalmente é laico, no que se refere à religião sua posição deve ser neutra. Devemos lutar pela liberdade de religião, crença e respeitar todas as manifestações de fé.

No Brasil, casos de intolerância religiosa são comuns e atingem em maioria religiões de matriz africana como candomblé, umbanda e suas variações. intolerancia-religiosa-traficantes-evangelicos-300x233 Intolerância religiosa e as religiões de matriz afroTais religiões são perseguidas desde o período do Brasil colonial e relacionam-se diretamente ao preconceito racial e de outros aspectos culturais como samba e a prática da capoeira.

Popularmente conhecidas por “macumba” (instrumento musical utilizado em cerimônia religiosa de origem afro) o candomblé e umbanda tem suas doutrinas deturpadas por muitas religiões de origem cristãs que divulgam a imagem da umbanda e candomblé como demoníacas, propagando preconceito. Uma atitude bem diferente da tolerância e amor pregado por Jesus Cristo.

A reprodução da intolerância religiosa chegou ao extremo no Rio de Janeiro. Traficantes convertidos em igrejas evangélicas neopentecostais intolerancia-religiosa-traficantes-evangelicos-300x233 Intolerância religiosa e as religiões de matriz afrocriaram o grupo Bonde de Jesus. Semana passada o grupo atacou terreiros de umbanda e candomblé na baixada fluminense. Objetos e materiais foram quebrados, ameaças foram feitas. Segundo a reportagem do site “Isto É”, a polícia prendeu oito traficantes suspeitos de pertencerem ao grupo Bonde de Jesus. Mais de 200 terreiros foram ameaçados, o caso está sendo investigado pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos a Intolerância (Decradi).

A intolerância religiosa é difundida na sociedade através de pequenos atos, como brincadeiras de mau gosto em expressões, como por exemplo, “chuta que é macumba”. É comum pais de santo terem dificuldades para alugar imóveis, seus filhos sofrerem bullying na escola e preconceito nos locais de trabalho da sociedade. A desconstrução de estereótipos, a luta contra qualquer tipo de preconceito não pode ser encarada como “mi mi mi”. Minimizar a causa dos outros é uma forma de contribuir para extremos como o que acontece no Rio de Janeiro e em todo país. Os danos causados nos terreiros vão além da questão material, o terrorismo é uma violência que deixa marcas. Tudo começa pelo respeito e a consciência de responsabilidade pelos seus atos.

intolerancia-religiosa-traficantes-evangelicos-300x233 Intolerância religiosa e as religiões de matriz afro

Insistente social, militante de Direitos Humanos, amiga, feminista. Tentando o equilíbrio entre força e sensibilidade, por fora tranquila por dentro ninguém saberá.

Laicia Farias

Insistente social, militante de Direitos Humanos, amiga, feminista. Tentando o equilíbrio entre força e sensibilidade, por fora tranquila por dentro ninguém saberá.

Um comentário em “Intolerância religiosa e as religiões de matriz afro

  • 22 de agosto de 2019 em 18:03
    Permalink

    Como umbandista acho ótimo dar visibilidade a assuntos em que a grande mídia não se importa em divulgar por conta do preconceito enraizado! Parabéns pela matéria 👏👏

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *