fbpx

The Jocker e a Eterna Discussão sobre a Natureza Humana

The Jocker, o filme do universo expandido da DC Comics, que pode tratar de uma possível origem do personagem Coringa, estreou no dia 3 de 25005627368601-223x300 The Jocker e a Eterna Discussão sobre a Natureza Humanaoutubro no Brasil trazendo muitas discussões e sendo politizado tanto pela direita como pela esquerda, para apoiarem suas ideologias, o que não vamos tratar aqui. Mas a principal questão trazida mais uma vez à tona pelo universo ficcional é a mesma de séculos atrás trazida pelos filósofos Thomas Hobbes e Jean Jacques Rousseau, e a questão gira em torno da natureza humana, afinal, o homem é essencialmente mau, ou ele é essencialmente bom e a sociedade o corrompe?

Bom, vamos “spoilear“ um pouco. O diretor Todd Phillips que produziu o roteiro com Scott Silver traz um artista fracassado (Arthur Fleck), vivido por Joaquin Phoenix, que após desventuras em série em meio a uma sociedade opressora vai se tornando cada vez mais violento em retaliação a essa. Nesse filme denso podemos discutir a violência da sociedade e do indivíduo e as relações entre eles não só em 1981 (época em que se passa a história), mas em todas as épocas.

Para Thomas Hobbes, autor de O Leviatã, o homem nasce essencialmente mau. Já para Russeau, autor Do Contrato Social, embora influenciado por 25005627368601-223x300 The Jocker e a Eterna Discussão sobre a Natureza HumanaHobbes, o homem nascia essencialmente bom, mas era a sociedade que o corrompia. Ambos têm bons argumentos para que possamos pautar um bom debate, mas é inegável que o meio em que vivemos nos define.

Imagine porque são necessárias políticas públicas, justamente porque uma criança nascida numa comunidade mais pobre, subnutrida, sem acesso à educação e a saúde, dificilmente chegará a ter as mesmas oportunidades que a criança que tem um arcabouço social mais favorável ao seu desenvolvimento em todos os campos. Raras exceções conseguem ascender socialmente, por isso chamamos de exceção, se fosse sempre chamaríamos de regra.

Imagine esse jovem crescendo em meio a condições onde a violência e a brutalidade sempre são as resposta para tudo. Onde a mão do estado não alcança. De fato não podemos plantar arroz e colher limões, assim só se pode, com pouquíssimas exceções, esperarmos adultos com sérios comportamentos com episódios de violência e crimes, e isso daria razão a Russeau.

25005627368601-223x300 The Jocker e a Eterna Discussão sobre a Natureza HumanaMas agora imagine uma situação hipotética (rsrs…) em que um empresário riquíssimo sonega impostos, um político corrupto rouba dinheiro de merenda ou pratica qualquer outro crime, que resulta sim na morte de pessoas logo no primeiro caso mais comum que é a corrupção, pois o dinheiro que falta na saúde pode causar a morte de alguém à espera de um remédio ou tratamento. Isso daria razão a Hobbes!

Há ainda fatores genéticos muito discutidos na última década que poderiam engatilhar diversos comportamentos, a ainda já se falou em o homem ser uma “tábua rasa“, uma folha em branco a ser escrita, como o filósofo Leibniz (1646-1716) teorizava. O que tenho a dizer é que nós somos complexos sozinhos, imagine mergulhados numa sociedade sempre caótica, onde a linha “certo versus errado” pode ser tênue, criando esse “megazord“ que somos nós? Acho que essas perguntas vão continuar ainda algum tempo. E você, o que acha?

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Max Castro

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *