fbpx

A mão invisível do mercado

Imagine um homem num passado bem distante prestando culto a uma divindade que ele nunca viu, mas está certo de sua existência, esse homem busca ler os sinais que essa divindade supostamente lhe revela e a partir daí ele fará de tudo para agradá-la, ao mesmo tempo em que também fará de tudo para NÃO desagradá-la e cair em desgraça. É exatamente assim que muitos governos atuais se comportam, pois voltam todos os seus esforços e políticas para agradar a esse “deus“ que chamam de mercado, buscando sempre apaziguar essa entidade invisível e impessoal como devotos fiéis e inquebrantáveis!

Já os sinais do que o deus mercado deseja são lidos através da alta sci_am_guest_Invisible_Hands-300x230 A mão invisível do mercadotecnologia dos computadores atuais, que mostram em tempo real tudo o que acontece nas bolsas de valores do mundo inteiro, e com a economia interligada mundialmente uma decisão que possa afetar negativamente a economia de um país pode desencadear problemas econômicos em outros, devido aos laços econômicos cada vez mais complexos.

Mas devemos aceitar toda essa dedicação dos governos voltada a agradar o mercado? Quem é o mercado de fato e porque a forma de governar completamente em prol do mercado pode ser tão prejudicial às democracias? Sim, políticas econômicas voltadas para estar sempre em sintonia com os interesses do tal mercado, podem gerar sérias crises sociais e pôr em risco até a democracia como vemos. O mercado são os investidores estrangeiros, ou organizações financeiras que detêm altas somas de dinheiro e que ganham muito especulando a economia. Essas pessoas ou grupos empresariais não produzem nada, mas compram e vendem, e sempre investem com o objetivo de lucrar, isso nada tem de errado, é do jogo, mas esses grupos, via de regra, se tornam mais poderosos do que um governo e podem influenciar nas políticas de todo um país.

Podem até mesmo fazer-se representados por um governo que ajudado financeiramente trabalhará em prol dos interesses econômicos desse grupo! – “É onde a democracia fica ameaçada“, segundo o renomado sci_am_guest_Invisible_Hands-300x230 A mão invisível do mercado professor Boaventura de Sousa Santos, da faculdade de Coimbra em Portugal, escritor de vários livros que tratam do efeito do neo-liberalismo na vida das pessoas se expressa a respeito do assunto. Segundo o catedrático formado em Yale (EUA), não existe democracia, quando o governo se preocupa mais em agradar ao mercado e ao lucro, que ao povo.

Exemplificando, um hospital construído em um lugar que do ponto de vista econômico não é viável, não faz sentido, mas e o povo presente nessa localidade ficará sem o hospital? Quando a busca é cuidar mais de uma planilha para que seus gráficos nunca fiquem negativos do que a seres humanos, talvez não precisemos de governantes eleitos pelo povo, então acontece o que a psicóloga Rosana Pinheiro chama de “Revoltas Ambíguas“.

O que nos leva automaticamente a lembrar do acontece agora no Chile, que tem como modelo econômico o liberalismo, vemos que todos os índices econômicos estão ok, a planilha econômica com gráficos em azul, onde crescendo 4 % ao ano, o Chile não está sendo capaz de realmente trazer ao seu povo redução da pobreza, e distribuição de renda, porque não existe democracia quando se deseja agradar somente ao mercado a todo custo. Levando então milhares de Chilenos às ruas.

sci_am_guest_Invisible_Hands-300x230 A mão invisível do mercadoDeveríamos nos preocupar, pois segundo o professor Boaventura, o Brasil pode apresentar os mesmos problemas Chilenos futuramente, os indícios são preocupantes quando notamos que a cada novo anúncio do governo, seus ouvidos se voltam não para o povo, mas para esse monstro invisível que é o tal mercado. Diante de tudo isso talvez seja a hora dos governos somarem o que há de melhor em vários modelos econômicos, nenhum modelo vai ser o perfeito, mas em todos eles o que deve estar em primeiro lugar é o homem, o cidadão da pólis, pois sem a existência e manutenção dele e de seus direitos assentados na lei que é a constituição, a necessidade de todo o esforço econômico perde o sentido.

É um assunto muito complexo para ser tratado em um único texto, cujo objetivo é trazer essas importantes questões à luz. Enfim, agradeço por ter lido até o final sempre com o desejo de trazer mais esclarecimento.

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Max Castro

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *