fbpx

Terça, 29 de outubro

 

Pra quem não sabe escrevo poesias e contos e já narrei muitas crônicas de RPG, que é a sigla em inglês para um jogo de tabuleiro onde interpretamos o papel de um personagem e suas ações, ao passo que uma outra pessoa (narrador da crônica ou campanha), narra uma história. Ninguém sabe ao certo como a história se desenrolará, mas podemos ter certeza que será divertido participar de uma.

Talvez vocês que acompanham o blog gostariam de ver algo diferente, talvez um conto ou uma poesia, e decidi escrever uma poesia inédita para hoje! Na correria do dia-a-dia vemos pessoas sempre apressadas, as missões do cotidiano sempre esmagando as dores das pessoas, como também sua individualidade e seus sonhos, todo mundo passa a se tornar parte de uma massa borrada, cinzenta, fantasmagórica, que só cresce cada vez mais e toma conta de tudo.

Então eu quis falar um pouco dessas pessoas, que se tornam parte desse monstro coletivo de pressa e estresse, e que são aparentemente vazias, masonibus-300x200 Terça, 29 de outubro talvez depois de um olhar mais demorado ganhem contornos de um pai que volta pra casa angustiado e cansado, um estudante que está preocupado com a nota vermelha, a moça grávida que pensa agora como vai contar a novidade pro namorado e levando o exame com um positivo marcado, se pergunta se tudo vai dar certo.

O cotidiano tem o poder de nos desconstruir, e ao mesmo tempo afogar quem somos com tantas obrigações e necessidades de forma tão abrupta que nem conseguimos resistir. Espero que gostem desse pequeno poema.

 

DEFENESTRANDO O VAZIO DE SI

 

Noto pelas ruas banquete de gente

Banquete moribundo

Gente angustiada e segregada

Servida em pratos vazios profundos.

 

Noto filetes perenes de esperança

Depois de tantas promessas idas

Pernas combalidas

Pelo mundos das andanças.

 

Lá vem o anticristo de cada um

O apocalipse do ônibus que demora

O filho que não ligou

O carnê que chegou agora!

 

Olhos, milhares deles na fila do pão

O sms recebido

O feijão queimado jogado fora

O carro na contramão!

 

Noto os quartos vazios das casas

Cômodos acomodados

Tudo organizado

Na gaveta do existir

É a minha a próxima parada

Me arrasto pelo vão do ônibus

Preciso continuar sem pensar

Preciso……resistir!

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Max Castro

Filosofo de bar, criador de lobos gigantes do além muralha e best friend do Zé Pilintra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *